sexta-feira, 12 de abril de 2013

Por que surgiu a Democracia na Grécia?



Democracia (do grego demos, "povo", e kratos, "autoridade"). Segundo o dicionário Aurélio: ”1- Governo do povo; soberania popular; democratismo. 2-Doutrina ou regime político baseado nos princípios da soberania popular e da distribuição equitativa do poder.”
É o governo do povo, para o povo, pelo povo”, isto é, “Governo do povo” quer dizer governo com um sentido popular; “para o povo” significa que o objetivo é o bem do povo; “pelo povo” quer dizer realizado pelo próprio povo. Na democracia é o povo quem toma as decisões políticas importantes (direta ou indiretamente por meio de representantes eleitos).
A democracia surgiu na Grécia quando, diante dos abusos da nobreza (os eupátridas), muitos atenienses (comerciantes, artesãos, camponeses) começaram a exigir reformas sociais. Nos séculos VII e VI a.C., surgiram reformadores como Drácon, que impôs leis escritas acabando com as vendetas (guerras entre famílias por vingança), e Sólon, que acabou com a escravidão por dívidas e elaborou uma constituição que estipulava que todas as decisões referentes à vida dos atenienses deveriam ser tomadas com a participação do povo, só que naquele momento o “povo” era constituído apenas pelos “cidadãos” de Atenas, o que excluía as mulheres, os escravos e os estrangeiros. Quando entrou em vigor, a constituição feita por Sólon possibilitou que os cidadãos atenienses elegessem seus governantes e também que deliberassem em praça pública, chamada de Ágora, sobre os principais assuntos que diziam respeito à vida da cidade. Nessas assembleias eram tomadas as decisões e eram eleitos aqueles que conseguissem o maior número de votos, já que todos os cidadãos eram considerados iguais pela constituição ateniense.
Tais reformas abriram caminho para a democracia ateniense. O criador da democracia em Atenas foi Clístenes.  Conhecido como “Pai da Democracia”, Clístenes aprofundou as reformas e introduziu o regime democrático, cujo princípio básico dizia que “todos os cidadãos têm o mesmo direito perante as leis”. – Princípio da isonomia.
Entretanto, na democracia ateniense apenas os eupátridas, que constituíam 10% da população eram considerados cidadãos. A democracia ateniense era, portanto, elitista (porque só a minoria tinha direitos), patriarcal (porque excluía as mulheres) e escravista (porque eram os escravos que sustentavam a riqueza dos senhores).
Apesar de inventada pelos gregos, a democracia não era uma unanimidade entre eles, principalmente entre os mais “sábios”. Importantes filósofos gregos, por exemplo, não gostavam muito dela. Na “República”, Platão escreveu que "a democracia se estabelece quando os pobres, tendo vencido seus inimigos, massacram alguns, banem os outros e partilham igualmente com os restantes o governo e as magistraturas". 

Nenhum comentário:

Postar um comentário